ConectaBr: Integração de celular com satélite e liberação de frequências ociosas para pequeno operador

A nova política do MCom que estimular o uso do espectro ocioso, para ampliar a competição principalmente nos pequenos municípios e determina também que a Anatel regule o mercado secundário.
frrequencia
A regulação do mercado secundário de espectro também está prevista. Crédito-Freepik

O Programa Nacional de Melhoria da Cobertura e da Qualidade da Banda Larga Móvel – “ConectaBR” lançado hoje, 23, pelo Mcom – Ministério das Comunicações, estabelece diversas novas diretrizes regulatórias que deverão ser seguidas pela Anatel (a agência reguladora), que, para cumpri-las, deverá promover alterações em seus regulamentos.

Entre as novas diretrizes do ConectaBr, está a que prevê “atualizar o arcabouço regulatório visando a integração entre sistemas móveis terrestres e sistemas não-terrestres, para a prestação de serviços de comunicações móveis”.

Frequência

O Ministério das Comunicações determina também à Anatel que ela deve, em sua regulamentação, facilitar a  disponibilização, em caráter definitivo ou provisório, de frequências ociosas para prestadoras de pequeno porte de serviços de telecomunicações. E define ainda que, quando os ISPs (Internet Service Providers) forem autorizados a ocupar as frequências ociosas em caráter provisório, a agência deverá definir ” prazo de utilização que seja suficientes para garantir a sustentabilidade da prestação dos serviços por parte da autorizada”. 

Essa diretriz prioriza os municípios onde há “baixo nível de competição”, mas deverão ser observados os diretos e deveres das operadoras que compraram o espectro e que têm o direito de seu uso em caráter primário.

A portaria 10.787 do MCom também age na regulação da Anatel do mercado de atacado e estabelece que a ” a oferta dos insumos necessários à prestação de serviços de telecomunicações móveis no mercado de atacado, observando a necessidade da prestação sustentável de serviços de telecomunicações móveis pelas PPP”.

Também determina que a Anatel crie as regras para o uso em caráter secundário das frequências já licitadas.

Migração

A nova norma também faz referência ao Decreto 10.402, de junho de 2020,  que trata da migração da concessão de telefonia fixa para o regime privado e a transferência de autorização de frequência e de outorgas. Reforça que a Anatel deve seguir o que está previsto nesse decreto, que em seu artigo 11 prevê que a Anatel poderá até mesmo restringir a quantidade de frequências a serem transferidas, se for de interesse público.

Leia aqui a íntegra:

PORTARIA MCOM Nº 10.787, DE 19 DE OUTUBRO DE 2023 – PORTARIA MCOM Nº 10.787, DE 19 DE OUTUBRO DE 2023 – DOU – Imprensa Nacional

 

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2174