Bets já tomam espaço no bolso do consumidor, avaliam operadoras

Representantes de Claro, TIM e Unifique avaliam que mercado de bets já recebe parte das receitas que antes ia para conectividade, considerada um serviço essencial.

Foto: Freepik

As casas de apostas online, conhecidas por bets, que tomaram o Brasil nos últimos anos e movimentam bilhões já são vistas como uma espécie de ameaça às operadoras de telecomunicações. Não porque ofereçam serviços equivalentes, mas porque afetam os gastos. Com isso, acabam tomando espaço no bolso dos clientes, que de outra forma poderia ser reservado para aquisição de bens essenciais, entre os quais, conectividade.

Paulo Cesar Teixeira, CEO da unidade de consumo da Claro, vocalizou a desconfiança com o jogo legalizado nesta quinta-feira, 20, no evento Teletime Tech, em São Paulo.

“Bet é principal competidor no momento no pré-pago, e não sei o quanto isso é danoso. Não sei até que ponto bet é algo bom, pois há pessoas de baixa renda, com dificuldade de manter necessidades básicas, mas apostando de maneira muito simples”, observou. Para o executivo, a questão chega a ser de projeto de país.

Paulo Sperandio, CMO da TIM, também manifestou preocupação em termos mercadológicos e em termos sociais. “O mercado de bets é uma realidade. Está penetrado e é uma competição pelo ‘share of wallet’ dos clientes. A pergunta que nós, ao pensarmos em negócios do tipo, é: estamos alimentando a pessoa com algo nutritivo ou algo sem valor nutricional?”, indagou.

Ainda assim, ele diz que o segmento não deve ser ignorado. “Segundo pesquisa recente da Ambima, já são 25 milhões de clientes engajados nisso. É muita gente”, observou.

Gabriel Amâncio, CTO da Unifique, também avalia que é preciso observar e estudar este mercado. No momento, diz, a Unifique não tem acordos com casas de apostas online. Mas ele não descarta essa possibilidade, desde que haja escolha criteriosa do parceiro e o produto resultante não traga riscos ao consumidor. “Vejo mais como algo para pós-pago, para as rendas mais altas”, falou ao TS.

José Roberto Nogueira, CEO e fundador da Brisanet, considera as bets, por enquanto, carta fora do baralho. A operadora está, no momento, mais concentrada em vencer o desafio de implementar uma rede móvel do zero. Os planos, ele detalhou no mesmo evento.

Avatar photo

Rafael Bucco

Artigos: 4225