AL registrou média de quatro mil ataques de ransoware por dia

Essa quantidade representa um decréscimo de 28% em relação ao mesmo período de 2021 e o Brasil está na lista de países que registram essa tendência de queda.
AL sofre 4 mil ataques de ransoware por dia
segurança de dados

Nos primeiros oito meses do ano foram registrados uma média de 4 mil ataques de ransomware por dia na América Latina, de acordo com dados da Kaspersky. Essa quantidade representa um decréscimo de 28% em relação ao mesmo período de 2021 e o Brasil está na lista de países que registram essa tendência de queda.

Para os especialistas da empresa, os criminosos estão focando cada vez mais em ataques direcionados e lucrativos e no desenvolvimento local de ransomware voltados a atacar instituições latino-americanas do setor público e privado.

A análise da Kaspersky mostra que os países apresentam tendências diferentes. Por exemplo, Colômbia, Costa Rica e Equador registram aumento dos ataques em 2022, enquanto Brasil, Chile, República Dominicana, México e Panamá apresentam queda neste ano.

Para completar o ranking, a Argentina, Guatemala e Peru mostram ataques em “ondas”. Apesar das distintas características, os especialistas da empresa reforçam que o cenário atual não significa que a ameaça desapareceu ou que mudanças não podem ocorrer no curto prazo.

Outra conclusão do estudo mostra que os criminosos latinos estão criando seus próprios ransomware e o ChileLocker é o principal destaque desta tendência –ganhou o nome do primeiro país que registrou ataques dele, em agosto de 2022.

Essa família de ransomware latino tem a capacidade de roubar credenciais salvas em navegadores, mapear servidores e dispositivos na rede para criptografá-los e evitar a detecção do antivírus por meio de uma função que permite o agendamento da execução do ransomware. Até o momento, o ChileLocker foi detectado apenas no Chile e na Colômbia.

“Na região, o esquema de Ransomware as a Service prosperou e opera como uma indústria formal, com ‘funcionários’ de diferentes níveis que estudam suas vítimas em potencial e planejam ataques 24 horas por dia, 7 dias por semana”, analisou Marc Rivero, analista sênior de segurança da Kaspersky.

Segundo o executivo, o avanço e a profissionalização desse crime têm uma explicação: essa atividade online movimenta mais dinheiro do que outras atividades ilícitas, como a venda de armas ou o tráfico.

O estudo da Kaspersky detalha a profissionalização dos grupos de ransomware. Hoje eles estão organizados em operadores de ransomware, que são grupos locais e são responsáveis por executar o ataque à vítima e os intermediários (Initial Access Brokers) que também são criminosos com conhecimentos genéricos, mas com habilidades de comprometer a segurança das organizações e vendem esses acessos ilegais aos operadores.

Famílias mais comuns

De acordo com a análise da Kaspersky, os “donos” do malware ficam com 20 ou 30% dos ganhos, enquanto a maior parcela é dividida com quem está mais exposto — sendo que os intermediários são os que mais ganham (em torno de 50%), pois são os responsáveis pela maior parcela do trabalho (invasão).

Na América Latina, as cinco famílias mais comuns de ransomware são Trojan . Ransom . Win32 . Wanna, Trojan . Ransom . Win32 . Stop, Trojan . Ransom . Win32 . Blocker, Trojan . Ransom . MSIL . Blocker e VHO . Trojan . Ransom . Win32 . Convagent, todos com a chance de criptografar os dados de suas vítimas.

Outra tendência que merece atenção e que faz parte das previsões para o próximo ano é a utilização do Ransomware destrutivo, que tem o único propósito de danificar recursos das instituições, como aconteceu com o HermeticRansom, detectado no início de 2022.

Vários setores vem sendo atingidos e desde a pandemia a saúde é uma das áreas mais vulneráveis a ataques de ransoware.

Avatar photo

Da Redação

A Momento Editorial nasceu em 2005. É fruto de mais de 20 anos de experiência jornalística nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e telecomunicações. Foi criada com a missão de produzir e disseminar informação sobre o papel das TICs na sociedade.

Artigos: 10695