63% dos trabalhadores CLTs estão endividados

Pesquisa realizada pela Creditas mostra o cartão de crédito tem sido é o principal vilão de dívidas da maioria dos trabalhadores brasileiros.
63% dos trabalhadores CLTs estão endividados-crédito-Freepik
Crédito: FreePick

63% dos trabalhadores brasileiros têm metade da renda comprometida com dívidas, segundo pesquisa desenvolvida pela Creditas, plataforma digital de produtos e soluções financeiras da América Latina. Para a realização do estudo, a fintech entrevistou 1.500 CLTs do país.

Os níveis de endividamento da população estão cada vez mais altos, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC): 28,7% das famílias brasileiras fecharam maio de 2022 em inadimplência.

Resolver os juros rotativos do cartão de crédito passou a ser uma das principais prioridades dos trabalhadores para resolver suas dívidas (13,34%), segundo dados da Creditas de maio de 2022.  Em seguida foi o cheque especial (6,67%), crédito com garantia de automóvel, auto equity (1,49%) e o crédito com garantia de imóvel, home equity (0,99% + IPCA).

O sonho de ter as contas em dia parece cada dia mais distante com o aumento constante do custo de vida no Brasil, conforme mostrou o estudo. Porém, o refinanciamento de dívidas pode ser uma alternativa para quitação de contas em aberto, segundo Maria Teresa Fornea, VP de Home Equity da Creditas.

“Quando um bem é oferecido como garantia para obtenção de crédito, é possível obter taxas menores e prazos maiores de pagamento, que podem ajudar a população a solucionar o endividamento. A substituição de um contrato existente por um novo, com melhores condições de pagamento, faz com que o consumidor conquiste autonomia e recupere o controle das próprias finanças”, afirmou.

De acordo com o levantamento, grande parte da população, no entanto, desconhece alternativas como crédito como garantia para refinanciar dívidas. Cerca de 60% dos entrevistados nunca utilizaram a modalidade e 14% não ouviram falar, número que sobe para 22% para a faixa etária de 18 a 24 anos. O fato de ter um bem como um carro ou uma casa já permite o acesso à opções de crédito com garantia e que possuem tarifas mais baixas, como pode ser visto abaixo.

(Com assessoria)

Avatar photo

Redação DMI

Artigos: 1794