Pequenos negócios lideram contratação de serviços de TI B2B, indica Google

Pesquisa da big tech mostra que MEIs e PMEs representam 96% dos demandantes de soluções tecnológicas; empresas buscam ganhar eficiência e substituir plataformas datadas
Pequenos negócios puxam mercado de soluções tecnológicas B2B, mostra Google
Artur Mazin, líder de Negócios para Médias Empresas do Google Brasil; pequenos negócios puxam mercado B2B, aponta big tech (crédito: TeleSíntese)

Os pequenos negócios são, com folga, os maiores responsáveis pelo crescimento do mercado de TI e serviços digitais para o público empresarial no País. Pesquisa do Google mostra que 96% das organizações que adquirem soluções B2B são Microempreendedores Individuais (MEIs) ou Pequenas e Médias Empresas (PMEs).

Segundo o levantamento, 90% dos negócios no Brasil optam por contratar soluções de terceiros, em vez de desenvolvê-las internamente. Em média, cada empresa contrata de três a quatro aplicações para diferentes áreas da operação.

O estudo, divulgado nesta terça-feira, 2, reforça a participação dos pequenos negócios nesse mercado indicando que nove em cada dez empresas com até 49 funcionários contratam softwares, plataformas de serviços ou tecnologias. Inclusive, 73% dos contratantes são MEIs e 23%, PMEs.

Ainda no contexto das organizações de pequeno porte, o estudo aponta que o comércio é o setor que mais demanda soluções tecnológicas, com 79% das PMEs e 76% dos MEIs buscando ferramentas para aperfeiçoar as operações. No caso das empresas com mais de 250 funcionários, o destaque passa para a indústria, com 44% das fábricas incorporando aplicações tecnológicas.

De acordo com a pesquisa, 47% dos empresários destinam mais de 20% dos investimentos mensais para contratação de serviços de marketing, logística e tecnologia no modelo “SaaS” (sigla, em inglês, para “software as a service”).

B2B mais exigente

O estudo do Google Brasil indica que a demanda por serviços digitais é motivada, sobretudo, por dois fatores: a busca por mais eficiência no dia a dia e a insatisfação com plataformas usadas anteriormente, o que inclui dificuldades de uso e falta de inovação.

Os critérios que as empresas levam em conta para escolher o fornecedor são a facilidade de uso da plataforma, a adaptabilidade do sistema, as funcionalidades, a segurança, a proposta de aquisição, a possibilidade de negociação e o reconhecimento de marca.

Em média, os negócios levam 2,4 meses para fechar um processo de contratação no País, com esse tempo caindo para dois meses no caso de MEIs e subindo para até quatro meses quando se avalia as grandes empresas.

“A digitalização fez com que a receita nos canais digitais se expandisse como nunca”, disse Artur Mazin, líder de Negócios para Médias Empresas do Google Brasil, em evento em São Paulo. “No entanto, uma vez que há mais fontes de informação, mais referências sobre a qualidade das ferramentas, as empresas, como consumidoras, também ficam mais exigentes. Há um aumento de exigência no mercado B2B”, complementou.

A pesquisa foi realizada em duas etapas. A primeira, conduzida pela Liga Pesquisas, contou com 36 entrevistas qualitativas com tomadores de decisão de contratação de empresas. A segunda, quantitativa, foi feita pela Quantas, que ouviu mais de 400 empresas que contrataram softwares e plataformas nos dois últimos anos para as áreas de finanças, tecnologia, RH, suprimentos e logística. Negócios de todos os portes e em todas as regiões do País integram o levantamento.

Avatar photo

Eduardo Vasconcelos

Jornalista e Economista

Artigos: 711