Claro só negocia com Simba se oferta não for o canal aberto

Para José Félix, não há sentido se pagar por canal aberto.

shutterstock_Angela Waye_TV_paga_TV_radiodifusao_conteudo_audiovisual

O presidente do grupo América Móvil, José Félix, disse hoje, 25, que as negociações com a Simba (joint-venture entre as emissoras de TV Record, SBT e RedeTV!) só poderão ser abertas quando a empresa que representa as emissoras deixar de querer vender os seus canais abertos. “Nós sempre estaremos dispostos a negociar. Mas quem mandou tirar os canais de nossa grade de programação foram eles”, afirmou o executivo.

Segundo Félix, não há hipótese de sua empresa considerar onerar o seu assinante para poder ter esses canais de volta em seu line up. “Nós não vamos pagar para ter canal aberto em nossa programação e não vamos onerar o nosso cliente para isso”, vaticinou, lembrando que o Brasil ainda passa por uma séria crise econômica e que o mercado de TV paga não cresce mais.

Para o executivo, as emissoras de TV poderiam propor novos arranjos em busca de um acordo. “Elas poderiam colocar o que têm de valor na mesa, como os seus comerciais”, observou. E defendeu que, agora, qualquer resultado de negociação terá como condição também contrato de longo prazo. Ele disse, contudo, que, por enquanto, está tudo parado, não havendo qualquer movimentação de nenhum dos dois lados em busca de uma saída.

Avatar photo

Miriam Aquino

Jornalista há mais de 30 anos, é diretora da Momento Editorial e responsável pela sucursal de Brasília. Especializou-se nas áreas de telecomunicações e de Tecnologia da Informação, e tem ampla experiência no acompanhamento de políticas públicas e dos assuntos regulatórios.
[email protected]

Artigos: 2221